GeoSaúde 2022

 

O direito à proteção da saúde suscita um debate sobre a evolução dos direitos sociais e das políticas públicas consubstanciadas pelos Estados como instrumentos provisores desses direitos. Paralelamente, para além de um crescente envolvimento e responsabilização dos sujeitos pela gestão da sua própria saúde, assistimos à instalação de um conjunto de fatores que, estando presentes nos territórios têm merecido uma atenção privilegiada da Geografia da Saúde pela influência que têm nos ganhos alcançados em saúde: envelhecimento demográfico; alterações ambientais, eclosão de surtos epidémicos/pandémicos, acesso à saúde, literacia, qualidade alimentar ou a mudança climática.

 

Para se alcançarem soluções satisfatórias em saúde, importa discutir a validade das políticas e das práticas que conformam o acesso, a educação, o bem-estar, que impactam os objetivos de desenvolvimento sustentável - ODS e as suas metas e que ajustam os perfis epidemiológicos dominantes em diferentes regiões e escalas. Assim, o GeoSaúde 2022, pretende congregar investigadores, decisores e técnicos de formações diversas para um debate transdisciplinar, estimulante e necessário, analisando desafios presentes nos países de língua portuguesa, dando continuidade ao I Congresso de Geografia da Saúde dos Países de Língua Portuguesa realizado em 2014.

 

Para alcançar os objetivos enunciados, o GeoSaúde 2022 reparte-se por 8 eixos estratégicos que procuram cruzar diferentes perspetivas que, de um modo cumulativo, convocam a comunidade académica e científica a acrescentar valor e significado às agendas da saúde presentes nos países de língua portuguesa, através da submissão de trabalhos originais, referenciados pelos respetivos eixos estratégicos, de modo a construírem blocos de comunicações ou posters que serão objeto de apresentação e discussão nos dias 12 a 14 de setembro de 2022, no Instituto de Geografia e Ordenamento do Território - IGOT em Lisboa e também, online.

A pandemia adiou o encontro previsto para 2020, mas o retorno afigura-se ainda mais desafiantes, face ao exacerbar de velhas problemáticas e a emergência de novas questões.

 

Sejam bem-vindos!

Desigualdades em saúde, desigualdades no território:

desafios para os países de língua portuguesa em contexto de pós pandemia